Porque tal comportamento odioso?

Roger Meyer (guest columnist)
Comentário sobre este artigo

Observando notícias, pode-se facilmente dizer que o nível crescente de comportamento odioso é aterrador! Um representante dos Estados Unidos pediu o assédio de funcionários públicos do partido político adversário. Um dono de restaurante recusou-se a servir um funcionário do governo, enquanto outros se recusaram a servir a polícia. Atores e comediantes de Hollywood dizem coisas ameaçadoras, vis e repugnantes contra os líderes políticos e seus familiares, atordoando nossas sensibilidades! Infelizmente, alguns aplaudem e alegram esses discursos em vez de condenar firmemente tal comportamento. Por que há tanto ódio, vitríolo e comportamento fora de controle?

Alguns “adultos” se comportam pior do que o esperado das crianças, exibindo uma verdadeira falta de maturidade por xingamentos, insultos e até mesmo enfrentando confrontos físicos. A falta de maturidade é horrível! Que estado de coisas! Eu vi um nível muito melhor de comportamento, autocontrole e maturidade exibido por crianças pequenas tendo um desentendimento no parque.

No entanto, embora possamos achá-lo chocante em certo sentido, não nos surpreendemos se estivermos familiarizados com a palavra de Deus. Por exemplo, podemos ler que, porque a humanidade rejeita a Deus, eles têm uma mente depreciada e se envolvem em “…prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;  sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes ao pai e à mãe;  néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;  os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem”(Romanos 1: 29-32). Isso praticamente resume as novidades de hoje! Em uma semana de artigos de notícias, você provavelmente pode marcar a maioria dos itens listados acima.

Podemos ler uma profecia dos últimos dias em 2 Timóteo 3, onde somos advertidos de que “…que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos;  porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,  sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,  traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,  tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te”(Vv. 1–5). Mais uma vez, uma descrição das notícias que vemos quase todos os dias.

Se professamos ser seguidores de Jesus Cristo, seria sensato evitar tais pessoas. De fato, devemos fazer o oposto daquelas coisas que vemos na sociedade. Em vez disso, devemos “Admoesta-os a que se sujeitem aos principados e potestades, que lhesobedeçam e estejam preparados para toda boa obra;  que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas modestos, mostrando toda mansidão para com todos os homens.  Porque também nós éramos, noutro tempo, insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias concupiscências e deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros”(Tito 3: 1–3).

No Sermão da Montanha, Jesus disse: “Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem,  para que sejais filhos do Pai que está nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos”(Mateus 5: 44–45). Que incrível mudança veríamos nos noticiários se apenas alguns dos participantes seguissem essa instrução!

O apóstolo Paulo fez uma observação interessante em sua epístola aos cristãos coríntios. Ele disse: “pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais segundo os homens?” (1 Coríntios 3: 3). E aí está o problema nas relações humanas, seja entre ou dentro das famílias e até nações inteiras.

Não devemos nos deixar levar pelo caminho do ódio. Em vez disso, devemos seguir as instruções de Cristo para amar, abençoar e orar por nossos inimigos que nos odeiam. Você pode achar útil o artigo “Pecados de Racismo, Anarquia e Secularismo!” Sobre este assunto.