Prosperidade e profecia

Mark Sandor
Comentário sobre este artigo

Dez anos se passaram desde a crise financeira de 2008, e a maioria dos americanos agora estam satisfeitos com a direção da economia de seu país. O desemprego está em baixa e o mercado de ações está em alta! A maioria das agências de notícias preocupa-se não em discutir a força da economia, mas em assegurar que seu partido ou presidente receba crédito por isso. Eles se destacam em reivindicar boas manchetes como triunfos do ex-presidente Barack Obama ou do presidente Donald Trump, mas não fazem perguntas mais relevantes.

Escusado será dizer que nenhum deles pára para considerar se uma economia forte tem alguma desvantagem. E porquê deviam eles? As pessoas têm empregos, elas têm dinheiro - tudo deve estar certo! No entanto, aqueles que acreditam que a Bíblia é a palavra inspirada de Deus têm motivo de preocupação. A Bíblia não relata justiça para riqueza nem pobreza. De fato, adverte que os dois extremos do espectro econômico carregam perigos inerentes (Provérbios 30: 7-9).

Riqueza e prosperidade não levam inevitavelmente as pessoas a se tornarem pecadoras e sem Deus, mas a Bíblia aponta para o potencial de um grave perigo que indivíduos e nações ricas podem cair: a tentação de esquecer Deus. Tais indivíduos podem, cada vez mais, aceitar o crédito por sua prosperidade, em vez de olhar para o Deus Criador que os proveu.

Deuteronômio 8 adverte completamente sobre a tentação que Deus sabia que os antigos israelitas enfrentariam ao entrarem na Terra Prometida e receberem Suas bênçãos. Nos vv. 11–17, Deus diz através de Moisés:

“Guarda-te para que te não esqueças do Senhor, teu Deus, não guardando os seus mandamentos, e os seus juízos, e os seus estatutos, que hoje te ordeno;  para que, porventura, havendo tu comido, e estando farto, e havendo edificado boas casas, e habitando-as,  e se tiverem aumentado as tuas vacas e as tuas ovelhas, e se acrescentar a prata e o ouro, e se multiplicar tudo quanto tens,  se não eleve o teu coração, e te esqueças do Senhor, teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão;  que te guiou por aquele grande e terrível deserto ... e não digas no teu coração: A minha força e a fortaleza de meu braço me adquiriram este poder"

Profetizando sobre o fim dos tempos, Jesus Cristo advertiu que eles não seriam precedidos pela instabilidade econômica. Em vez disso, Ele apontou para os tempos de Ló e Noé para comparação. As sociedades prósperas que existiam antes da inundação mundial e em Sodoma e Gomorra estavam concentradas no sucesso econômico: compra, venda, plantio e construção. Eles tinham muita comida e uma “abundância de ociosidade” (Lucas 17:27; Ezequiel 16: 49-50)! Suas economias prósperas fizeram com que eles se esquecessem de Deus tão completamente que se rebelaram contra toda a aparência de piedade.

E é precisamente aqui que vemos os Estados Unidos hoje. Apesar da riqueza material da nação, seu estado espiritual provavelmente seria melhor descrito como falido. No entanto, a maioria dos americanos estão mais do que dispostos a ignorar seus próprios estados espirituais como indivíduos (ao mesmo tempo que lamentam as falhas espirituais da nação) porque satisfizeram suas necessidades físicas. A comida ainda está na mesa, então eles não sentem necessidade de se arrepender de qualquer pecado. Alguns provavelmente até sentem que a economia saudável da América deve indicar sua boa reputação com Deus! Eles raciocinam que, uma vez que estão desfrutando de bênçãos, devem ter recebido essas bênçãos por meio de sua própria retidão e, portanto, não precisam se preocupar enquanto a economia estiver estável!

No entanto, esta trágica linha de raciocínio prepara ainda mais os EUA para o colapso! Jesus advertiu que o fim dos tempos será como uma armadilha que surpreende as pessoas - especialmente aqueles que pensam que tudo está indo bem (Lucas 21: 34-36)! Não podemos permitir que um aumento econômico nos leve a pensar que a América está em boas condições com seu Criador. Uma rápida olhada nas manchetes revela que a América celebra abertamente uma variedade de pecados, incluindo imoralidade sexual, adoração pagã e ganância! Muitos destes pecados são permitidos, pelo menos em parte, porque eles movimentam dinheiro e ajudam a economia. 

A América está enfrentando o fim dos tempos de que a Bíblia Sagrada profetiza. Estamos enfrentando esses dias por causa dos pecados que multiplicamos e celebramos ao longo dos anos. A economia dos Estados Unidos não é um bom indicador da aprovação de Deus e pode até ser usada como um falso ídolo quando alguns tentam igualar a prosperidade à justiça. Nós que levamos a Bíblia a sério devemos fazer um balanço do nosso estado espiritual, nacionalmente e em especial individualmente, em vez de fazermos falsas suposições sobre o que uma economia forte significa para nossa nação.