Até onde o arco-íris?

J. Davy Crockett III
Comentário sobre este artigo

Lá está, a bandeira do arco-íris, orgulhosamente acenando para as celebrações do “Orgulho Gay” em todo o mundo ocidental, já que a comunidade homossexual e transexual demonstra sua influência política e social. Este pequeno grupo demográfico pressionou por reconhecimento, quebrando milênios de tabus sociais e resultando em uma aceitação forçada de comportamento que é universalmente reconhecido como sendo um estilo de vida de alto risco - física e psicologicamente.

Aqueles que promovem este modo de vida entendem o poder de um símbolo reconhecível. Este emblema do movimento contra a cultura sexual parece ter se originado na Califórnia, onde a bandeira do arco-íris apareceu como símbolo por volta de 1976 em São Francisco. A idéia básica de listras coloridas simboliza os diferentes tipos de escolhas sexuais e identidade de gênero que compõem o movimento.

O comportamento que antes era feito em segredo por causa do estigma religioso, legal e social tornou-se mais aberto com a revolução sexual dos anos 60. Com o declínio da influência religiosa e a representação do comportamento sexual promíscuo no entretenimento e na literatura, as relações homossexuais começaram a ser retratadas como uma “escolha de estilo de vida normal ou aceitável”. O litígio foi buscado para estabelecer tal comportamento como um “direito civil”. com a identidade racial, com os tribunais aceitando casos de alegada discriminação sexual. Em junho de 2015, em uma estonteante reversão do direito comum, a Suprema Corte dos Estados Unidos declarou que “o casamento entre pessoas do mesmo sexo” é um direito civil básico.

Então, em todo o mundo hoje, vemos o símbolo da bandeira do arco-íris como a bandeira da revolução sexual. Está incluído em anúncios impressos e exibições de negócios para mostrar aceitação e para solicitar negócios daqueles que se identificam com esta cultura.

"Bem", você pode estar pensando: "O que há de errado com isso? Por que eles não deveriam ter seu próprio símbolo? "É uma pergunta justa. Se não há Deus e se não existem leis imutáveis que definam o comportamento correto e o que é errado, então isso não importa. No entanto, existe um Criador que revelou Seu código de conduta, conhecido como os Dez Mandamentos (Êxodo 20: 1-17 e Deuteronômio 5: 1–22). Instruções detalhadas para conduta sexual são encontradas em Levítico 18. As pessoas ignoram estas leis imutáveis por sua própria conta e risco (Levítico 26: 14-17).

Há outro motivo importante pelo qual o uso do arco-íris como símbolo da atividade pecaminosa é particularmente abominável. O Criador deu o arco-íris como sinal de uma importante promessa para a humanidade. Depois do grande dilúvio nos dias de Noé, Deus disse: “Este é o sinal do pacto que faço entre Mim e vós, e todo ser vivente que está contigo, por perpétuas gerações: ... O meu arco tenho posto na nuvem; este será por sinal do concerto; e as águas não se tornarão mais em dilúvio, para destruir toda carne… ”E Deus disse a Noé:“Este é o sinal do concerto que tenho estabelecido entre mim e toda a carne que está sobre a terra”(Gênesis 9: 12–17.) Estes versículos mostram que Deus possui e usa este símbolo. Outros versículos mostram que há um arco-íris ao redor do trono de Deus no céu (Apocalipse 4: 2–3).

O profeta Isaías descreveu as consequências do mal uso de algo bom quando escreveu: “Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade, e fazem do amargo doce, e do doce, amargo! Ai dos que são sábios a seus próprios olhos e prudentes diante de si mesmos!”(Isaías 5: 20–21). O Livro da Sabedoria dá um bom conselho: “ Teme ao Senhor, filho meu, e ao rei, e não te entremetas com os que buscam mudanças.  Porque, de repente, se levantará a sua perdição... ”(Provérbios 24: 21–22).

Usar o arco-íris como um símbolo moderno da atividade que a Bíblia rotula de mal é convidar a retribuição de um Deus misericordioso, mas firme e justo.

Encomende o livreto gratuito Os Dez Mandamentos, que é um maravilhoso guia de estudo para entender estas importantes verdades. Também não se esqueça de ler o artigo do Mundo de amanhãs “Promovendo o Mal, Condenando o Bem” para mais informações sobre este assunto.