Porque as crianças vão erradamente

Comentário sobre este artigo

Às vezes nos esforçamos para entender como ajudar nossos filhos a permanecer no caminho certo. Este artigo, o primeiro de dois, ajuda os pais a identificar as armadilhas que podemos sucumbir tão facilmente.


Pais bem-intencionados e amorosos lutam, imaginando por que seus filhos tomam um caminho errado. Alguns estão cheios de culpa, sentindo que falharam. Outros deixam de admitir que pode ser algo que fizeram de errado, culpando a pressão dos colegas, as escolas ou os filhos que estão caindo na multidão errada. Nenhuma pessoa com a mente certa pode diminuir a pressão dos colegas e a influência da educação secular de hoje. Estas apresentam desafios significativos para qualquer pai, mas por que alguns pais são mais bem sucedidos em criar seus filhos do que outros? por sorte? Será por um rolo de dados?

Por que as crianças se perdem? Existem fatores que podem melhorar as possibilidade de criar filhos felizes e bem-comportados que se tornam cidadãos produtivos? Existem erros que podem ser evitados?

Ao longo dos meus 45 anos no ministério, dos quais 25 trabalhei em acampamentos de verão, conheci e trabalhei com muitos adolescentes e famílias. Eu conheço adolescentes que eram culpados de quase tudo: roubo à mão armada, arrombamento e invasão, furtos em lojas, prostituição masculina e feminina, roubo de bolsas gravidez fora do casamento e mais do que posso contar. Por quê? Nesta primeira parte de uma série de duas partes, veremos cinco razões pelas quais as crianças se perdem.

CAUSA NÚMERO 1: HIPOCRISIA

Não há nada maior que a hipocrisia que faz com que uma criança desrespeite seus pais e seus valores. Quando ensinamos um caminho, mas vivemos outro, as crianças aprendem isto. Eles são mestres em identificar a hipocrisia em outros, enquanto são mestres da própria hipocrisia. Quantos pais dizem: "Não faça o que eu faço, faça o que digo"? Pais que ameaçam “lavar a boca com sabão se eu ouvir você usar essa palavra novamente”, mas deixam que a mesma palavra saia de suas próprias bocas, fará com que seus filhos percam o respeito por eles. Ensinar uma criança a exibir bom espírito esportivo não funcionará quando o pai demonstrar falta de esportividade no campo, nas bancadas ou assistindo ao jogo na televisão. As crianças devem saber que seus pais são consistentes tanto no que dizem quanto no que fazem. Caso contrário, envia a mensagem de que você não acredita realmente no que diz.

Nenhum pai vai viver perfeitamente, mas nosso melhor exemplo e modo de vida devem estar alinhados o mais próximo possível do que ensinamos. É importante entender que há uma diferença entre um erro parental raro e uma vida hipócrita. Todos nos vão dar uma folga, até mesmo nossos filhos, quando eles reconhecem que fizemos algo fora da marca. Em outras palavras, aqueles ao nosso redor sabem que normalmente não fazemos certas coisas, mas "descontrolados" temporariamente. Ou, em outras palavras, alguém pode ser culpado de uma ação hipócrita, mas não ser hipócrita no caráter.

As crianças devem estar convencidas de que seus pais, apesar de suas imperfeições, são genuínos - o que eles ensinam é o que eles realmente acreditam. Às vezes, um pedido de desculpas, ao invés de uma justificativa, de um pai que comete um ato fora do caráter, irá ser mais afetivo para a construção de um vínculo entre pai e filho.

Uma vida não hipócrita consistente começa cedo. Lembro-me de ver uma sitcom (comédia)onde o pai estava relembrando com seus amigos de longa data sobre o que eles fizeram antes de se casarem. Um pouco mais tarde, o pai notou seu filho sentado desanimado do lado de fora. Quando ele perguntou o que estava errado, seu filho respondeu algo assim: "Você sempre me diz para não me  embebedar ou, para não fazer corridas de carro, etc, mas então você e seus amigos falam sobre o quão divertido você tinha feito essas coisas." ! Nossos pecados passados às vezes voltam a nos morder quando menos esperamos.

CAUSA NÚMERO 2: FALTA DE SABEDORIA

Os pais devem possuir e exercitar razoável bom senso e sabedoria, se quiserem que seus filhos os respeitem e imitem. Um provérbio bíblico nos diz: “Como a neve no verão e como a chuva na sega, assim não é conveniente ao louco a honra” (Provérbios 26: 1). Nenhum pai pode acompanhar completamente um mundo que muda rapidamente, mas para criar filhos com sucesso, precisamos reconhecer o que não sabemos e nos educar sobre assuntos críticos quando necessário.

Nos anos 60, os Beatles e outros grupos de rock introduziram uma cultura de drogas da qual nosso mundo ocidental nunca se recuperou. Muitos pais disseram aos adolescentes que, se eles fumassem maconha, ficariam viciados e todos os tipos de coisas ruins aconteceriam. Os fatos nem sempre coincidem com os avisos. Nem todo mundo se torna viciado, nem todos morrem. Os pais estavam corretos em alertar seus adolescentes para não tocarem essa coisa. Eles sabiam instintivamente que havia perigos, mas às vezes suas advertências não eram dadas com conhecimento e compreensão adequados.

A maconha hoje é muito mais forte do que era nos anos 60 e, para alguns, é viciante. Pode-se argumentar se é psicológica ou fisiologicamente viciante, mas eu pessoalmente conheço aqueles que o experimentaram e desistiram, bem como aqueles que realmente estavam viciados nela. A questão é que, se nossos filhos perceberem que não sabemos do que estamos falando, eles perderão o respeito por nós. É muito melhor admitir o que não sabemos e, em seguida, ajudá-los a pesquisar o assunto do que tentar puxar a lã proverbial sobre seus olhos. E os pais devem se prevenir de agir tolamente em público ou em particular.

CAUSA NÚMERO 3: INJUSTIÇA

Quantas vezes ouvimos as crianças exclamar: "Isso não é justo"? Bem, na maioria das vezes é justo, mas é importante que as crianças saibam que você é justo em suas relações com elas. Isso não significa que justiça seja igual a igualdade. John Wooden da UCLA foi um dos maiores, talvez o melhor treinador de basquete de todos os tempos. Suas equipes venceram dez campeonatos nacionais em doze anos e, em seu livro ‘They Call Me Coach’, ele fez um comentário perspicaz: “Eu não trato os meus jogadores de forma igual, eu os trato de forma justa”.

Quando você permitir que sua filha dirija o carro aos 16 anos e não dê o mesmo privilégio ao seu filho, provavelmente ouvirá a queixa: “Isso não é justo!” Em vez de descartar seu protesto, é importante explicar por que você tomou essa decisão. “Sua irmã provou ser responsável. Quando você provar que pode agir com responsabilidade, também receberá as chaves do carro da família. ”O fato é que não podemos estabelecer datas arbitrárias para nossos filhos sem relacionar com sua maturidade e caráter, mas é importante que eles ouçam por que fazemos certas decisões. Isto não impedirá seus protestos, mas é importante declarar o motivo pelo qual nossas decisões são justas. Não há necessidade de “provar-lo  a eles”, pois isto muitas vezes não é possível, mas no fundo eles podem reconhecer a verdade.

Ao mesmo tempo, nem sempre devemos descartar seus pedidos de justiça. Eu me lembro de uma família com dois filhos. O mais jovem podia escapar com praticamente qualquer coisa, mas o mais velho não podia aparentemente fazer nada certo. Ele entendeu que ele não estava sendo tratado de forma justa e o dano causado foi trágico. É bom ser introspectivo quando ouvimos: “Isso não é justo!” Pare e pense. Talvez não seja justo, e se for esse o caso, faça uma correção do curso. Um pai não deve ser enganado ou intimidado por tais queixas, mas deve ser introspectivo, sábio e, sim, justo.

CAUSA NÚMERO 4: FALTA DE EXPOSIÇÃO

Nós realmente não precisamos ser informados sobre a importância de passar tempo com nossos filhos, sejam crianças ou adolescentes. Esta deve ser uma prioridade máxima. Como é fácil ficar ocupado com outras atividades. O egoísmo é um sinal dos nossos tempos. Muitos casais optam por não ter filhos simplesmente porque as crianças vão afetar sua liberdade e diversão. Outros têm filhos, mas vivem o estilo de vida sem filhos.

Eu me lembro da época em que minha esposa tomava conta de uma criança vizinha. Às vezes, quando a mãe chegava do trabalho para buscá-la, a menina chorava sem querer ir para casa. Isto deveria ter sido um aviso para os pais, já que a maioria das crianças quer passar um tempo com suas mães - até mesmo se agarrando a elas. Quando uma criança pequena é mais apegada a um adulto diferente - ou à medida que a criança cresce, aos seus amigos - do que a seus pais, esse é um sinal de perigo. As crianças pequenas podem experimentar nossa paciência com suas "lamentações" e suas constantes perguntas sobre como tudo funciona em seu pequeno universo, mas o tempo com elas é importante. O velho argumento que coloca a “qualidade do tempo gasto” contra a “quantidade de tempo gasto” é insensato. Ambos são necessários.

Várias décadas atrás, a popular música de Harry Chapin, “Cat's in the Cradle”, transmitia uma mensagem poderosa. Começa com um menino que vem ao mundo e cujo pai está ocupado demais “com aviões para pegar e contas para pagar” - o que significava que o menino “aprendeu a andar enquanto eu estava fora”. O segundo verso tem o menino de dez anos de idade querendo brincar com uma bola, mas o pai responde: “Hoje não, tenho muito o que fazer”. “Tudo bem”, responde o filho enquanto se afasta, pensando: “Eu vou ser como ele, sim. Você sabe que eu vou ser como ele. "Cada verso da música é seguido por variações do mesmo refrão que a música progride:

E o gato está no berço e na
colher de prata,

Menino azul e o homem na lua,

"Quando você vem para casa, pai?"
"Eu não sei quando

Mas nós nos reuniremos então.
Você sabe que nos divertiremos então. ”

Mas "então" nunca vem. Não é até o filho chegar da faculdade que o pai finalmente encontrou tempo para seu filho, mas a essa altura seu filho tem sua própria agenda e não tem tempo para o pai. Só depois de aposentado é que ele percebe que seu filho cresceu como ele - ocupado demais para passar tempo com sua família. Quantas vezes ouvimos: “Eles crescem tão rápido! Para onde foi todo o tempo? ”O tempo perdido nunca pode ser recuperado, e os pais decentes e bem intencionados às vezes ficam muito ocupados para passar um tempo precioso com seus filhos até que seja tarde demais.

Entendemos que os adolescentes querem passar mais tempo com outros adolescentes. Isto é normal, mas você já percebeu que alguns adolescentes só querem passar esse tempo longe de suas próprias casas?

Quando seus filhos querem passar mais tempo com os outros do que com você, o antídoto é não ceder, mas aumentar sua exposição com seus filhos. Você os leva para pescar. Você os leva às compras no mercdo. Você joga com eles e leva-os para a sua lanchonete favorita de comida rápida. E você encontra um projeto, como um jardim ou esporte, para trabalhar juntos. Mesmo que eles não o apreciem na hora, a hora chegará quando eles o farão.

CAUSA NÚMERO 5: FALTA DE INSTRUÇÃO

O livro de Deuteronômio instrui os pais sobre como ensinar os mandamentos de Deus a seus filhos. “e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te.  Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos.  E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas”(Deuteronômio 6: 7-9).

O ensino deve ser diligente. Às vezes formal e às vezes casual, deve ser implacável, e deve ser apropriado para a ocasião. Eu me lembro de uma história que um amigo me disse um dia. Quando ele tinha cerca de seis anos de idade, ele estava em um restaurante com o pai tendo algo para beber. Seu pai tirou uma moeda de cinco centavos do bolso e a equilibrou  por a beira. Ele então olhou para o filho e perguntou: "A quem isto pertence?"  E seu filho respondeu: "A você, pai". O pai perguntou ao filho: se ele a tomasse sem a permissão do pai, o que isso faria dele? "Um ladrão!" O filho respondeu. O pai então deu um conselho poderoso: “Filho, quando você pega algo que pertence a outra pessoa, seja mil dólares ou cinco centavos, isso faz de você um ladrão.” E o homem se lembrou da lição pelo resto de sua vida. Ele se beneficiou de ter um pai comprometido em ensinar ativamente seu filho.

Na parte dois deste artigo, vamos explorar mais cinco causas porque as crianças se perdem. Enquanto isso, se você não leu a nossa publicação, Parentalidade com sucesso: Caminho de Deus, por favor, ligue, escreva ou visite nosso site para sua própria cópia gratuita.

OUTROS ARTIGOS NESTA EDIÇÃO

Ver Tudo