Por que Satanás ama o natal

Wyatt Ciesielka
Comentário sobre este artigo

A maioria das pessoas descarta o comercialismo, a influência pagã ou a impossibilidade de um nascimento em 25 de dezembro, e se conforta em lemas como "Ponha o Cristo de volta no Natal". Mas, os cristãos verdadeiros se sentiriam à vontade para celebrar o Natal se compreendessem que você não pode "colocar Cristo de volta no Natal" porque o Natal é baseado na adoração de Satanás?

Este não é um novo entendimento! Mas as igrejas do mundo escondem ou ignoram esta verdade! A Enciclopédia Católica revela: "O Natal não estava entre os primeiros festivais da Igreja. Irineu e Tertuliano omitem-no de suas listas de festas ..." (vol. 3, pp. 724, 728). O Natal foi banido em Massachusetts em 1659 e na Inglaterra em meados de 1600 como sendo anti-bíblico.

Compreenda. Antes do Natal era a Saturnália romana, sobre a qual o Natal é fundado. Tertuliano, considerado um dos primeiros pais da Igreja Católica, escreveu que, durante a Saturnália, os presentes eram trocados e "todo o orgulho do diabo é freqüentado" (Sobre a Idolatria, por volta de 200 a 204 dC).

Mas a Saturnália também era simplesmente uma adaptação de algo anterior - o Mitraísmo Persa. Como a Enciclopédia Católica registra: "No Mitraísmo, o deus supremo era Aion, Cronos ou Saturno. Saturno, o nome popularizado pelo mundo romano, não era outro senão o antigo deus iraniano [persa], Zervan" (mitraísmo).

Os romanos adotaram avidamente o mitraísmo na forma da Saturnália. O Imperador Diocleciano construiu um templo para Mithra em Carnuntum, e "o 25 de dezembro foi celebrado como seu aniversário, o natalis invicti, o renascimento do sol de inverno" (ibid).

No Mitraísmo, os festivais do meio do inverno começaram com a adoração de Zervan, cujas celebrações terminavam em 24 de dezembro. As celebrações então passavam para adorar o recém-nascido Zervan como o recém-nascido Mithras, o novo Saturno, nascido em 25 de dezembro que trazia de volta o sol solstício de inverno (Mithras, o deus secreto, MJ Vermaseren).

O deus pagão Zervan foi descrito como uma figura alada, parte humana e parte leão. Assim, vemos que Zervan descreve as características angélicas dos querubins (2 Crônicas 3:13; Ezequiel 10:14). Além disso, Zervan era tipicamente acompanhado por cobras enroladas em torno de suas pernas, braços ou corpo (The Mysteries of Mithra, de Franz Cumont, 1903, página 93). As escrituras revelam que Satanás (anteriormente Lúcifer) é um querubim caído (Ezequiel 28: 14-16) e está associado à cobra (Gênesis 3: 1-14; Apocalipse 20: 2).

Um anjo justo não se permitirá ser adorado (Apocalipse 19:10; 22: 9). E Apocalipse 9:20 adverte que os idólatras estão realmente adorando demônios. Claramente, o querubim que exige sua adoração no solstício de inverno não é um anjo justo. Seja chamando a si mesmo de Zervan, Saturno ou outro epônimo, esta divindade é uma procuração para ninguém menos que Satanás, o querubim caído!

Mas mesmo a Saturnália romana e o mitraísmo persa eram adaptações de uma religião de mistério ainda mais antiga - o culto dos mistérios babilônico. Os antigos babilônios celebravam o renascido Nimrod como o recém-nascido Tamuz, adorando uma árvore perene (agora a árvore de Natal comum). Os babilônios também celebravam este renascimento durante o solstício de inverno. Jeremias condena o antigo Israel por copiar este paganismo terrível, e até menciona especificamente a árvore perene decorada em Jeremias 3:13.  

Independente de boas lembranças ou de "todo mundo o fazer", um verdadeiro cristão rejeitará o Natal, não apenas por causa do comercialismo, da influência pagã e da impossibilidade de Jesus nascer no meio do inverno, mas mais fundamentalmente porque Cristo se recusa a ter qualquer parte com idolatria (2 Coríntios 6: 15-16). Cristo nunca fez parte do Natal e não será "colocado de volta" no Natal.  

Deus nos ordena a "não aprender o caminho dos pagãos" (Jeremias 10: 2), revela que as celebrações pagãs são abominações para Ele (Jeremias 10: 3-4; Ezequiel 8: 13-14), e não nos diz para mudar o que foi ensinado através de Cristo e dos Apóstolos (2 Tessalonicenses 2:15). Uma vez que esta verdade seja entendida, um verdadeiro cristão estremecerá com a idéia de celebrar o Natal, percebendo que estas celebrações do solstício de inverno são de fato celebrações de Satanás.

Para saber mais, assista às poderosas transmissões do Mundo De Amanhã, "Natal: A Mensagem Perdida " e " Visão do Natal ", ou leia o perspicaz artigo "Devem os Cristãos  Manter o Natal?"